1/09/2013

Leo Lobos

A Poesia de Leo Lobos


uma visita ao zoológico fantasma
                "Livre da enfermidade, embora em meio à enfermidade"
                                        Yagyu  Munenori  
Tenho visto tanta merda de cão 
nas ruas de Paris que devo 
caminhar com cuidado à noite 
é quando me parece então 
escutar meninos e meninas fantasmas 
rirem na fila de entrada do 
zoológico que para eles ali se levanta: 
um desfile de elefantes brancos cruza 
a praça do Louvre fazendo 
malabarismos com obras de arte e restos 
de arqueologias extraterrestres, girafas 
correm pelos Campos Elíseos comendo 
as luzes natalinas que crescem em 
suas árvores, baleias, delfins, 
patos selvagens nadam pelo Sena 
tragando turistas desprevenidos 
que acendem flashes em seus narizes 
leões copulam famintos 
sobre os telhados como relíquias 
de cristal de uma cidade iminente... 
Hipopótamos ébrios se encalham em suas 
ruas serpenteantes, em seus arcos triunfais, 
em sua torre famosa...
Galeristas confusos 
correm atrás de cavalos livres de 
carrossel que levam gravada uma estrela 
de ouro em seu flanco... 
Bandos de aves tropicais cobrem a lua 
de plumas de plástico que 
ursos vestidos à la mode sopram 
com ventiladores nucleares de 
globos que intermitentes sobem 
e descem por escadas invisíveis 
que águias cegas trazem 
de Nôtre-Dame... 
Sinosnuvens carregados de 
perfumes humanos chovem 
no final desta noite sobre 
o zoológico de plasma e tudo 
retorna nos olhos de um gato 
sabiamente 
a ser luz solar 
e Paris é  outro dia. 

tradução: Cristiane Grando

Leo Lobos nasceu em Santiago, Chile . Poeta, ensaísta,tradutor, artista visual. Laureado UNESCO - Aschberg de Literatura 2002. Publicou: Cartas de más abajo (1992) + poesía (1995), ángeles eléctricos (1997), Camino a Copa de Oro (1998) , Perdidos en La Habana y otros poemas (1999), Cielos (2000), Nueva York en un poeta (2001), Turbosílabas (2003), Devagar (2004), Un sin nombre (2005), Nieve (2006), Vía regia (2007) y No permitas que el paisaje este triste (2007). Tem sido traduzido em língua inglesa, portuguesa, holandesa, francesa e alemã. Realizou inúmeras exposições individuais e coletivas. Suas pinturas, ilustrações, poemas visuais e desenhos fazem parte de coleções particulares na França, Brasil, México, Estados Unidos e Chile. blog: aqui


Nenhum comentário:

Postar um comentário

pode gostar de...

Sandra SantosGatosMuseu do botao Arte erotica Codigo Coletivo

Traduzir